22 de jan de 2013

Resenha: Divergente - Veronica Roth


Título: Divergente
Original: Divergent
Série: Divergente/Divergent #1
Autora: Veronica Roth
Páginas: 504
Editora: Rocco (setembro de 2012)

Sinopse: Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.


Depois de tanto ouvir falar em Divergente, praticamente me senti obrigado a comprar e ver se o livro era realmente bom. Resultado? Não era tudo aquilo que diziam... O livro me prendeu a atenção em vários momentos, mas eu não tive aquela sensação de quero mais a cada capítulo que terminava de ler.

O livro conta a história de Beatrice, uma garota que está prestes a fazer 16 anos e precisará decidir o seu futuro em uma das cinco facções existentes em Divergente: Abnegação, Amizade, Audácia, Erudição e Franqueza, cada uma com características únicas. Sua vida foi toda construída na Abnegação, mas o teste de aptidão lhe sugere um resultado totalmente diferente e agora ela precisa fazer uma escolha muito importante.


Em meio a dúvidas em relação à sua escolha, Beatrice precisa aprender a viver em um local violento e sem saber quem são os seus verdadeiros amigos, pois isso é uma competição e ninguém quer perder. Até mesmo a personalidade da personagem principal parece ter se alterado, e isso fica muito bem evidenciado na passagem a seguir:


"Quando termino de me vestir e a vontade de chorar passa, sinto algo quente e violento remoendo minhas entranhas. Quero machucá-los. Encaro meus olhos no espelho. Eu quero machucá-los, e é exatamente isso que vou fazer."

"Não sei se é uma boa ideia perdoá-la ou não; ou perdoar qualquer um dos dois, depois do que me falaram quando as colocações foram divulgadas ontem. Mas minha mãe diria que as pessoas têm defeitos e que eu devo ser compreensiva. E Quatro me disse para me apoiar nos meus amigos. Não sei mais em quem me apoiar, porque já não sei bem quem são meus verdadeiros amigos. Uriah e Marlene, que ficaram ao meu lado mesmo quando eu parecia forte, ou Christina e Will, que sempre me protegeram quando eu parecia fraca?"


Apesar da narrativa ser em primeira pessoa, senti um pouco a falta de detalhes de alguns cenários e acontecimentos, pois isso é primordial nesse tipo de narrativa e deveria ter sido explorado mais vezes. Essa mesma narrativa é um pouco acelerada, mas não fiquei impressionado com ela e não me senti totalmente atraído pelos acontecimentos. Tirando esses contras, é um bom livro.

Voltando um pouco à estória... Beatrice, ao longo do livro, vai se firmando como uma garota de personalidade forte e um desejo absurdo de acabar de vez com as pessoas que só pensam em si mesmas e em tomar o poder para si.

"Eu me levanto devagar, segurando o braço direito contra o peito. Estou focada em um objetivo. Estou seguindo este caminho e não conseguirei parar, não conseguirei pensar em mais nada, até que eu alcance o final."

Eu acho que estava com uma expectativa muito alta e boa a respeito desse livro, o que acabou não se concretizando como deveria. Não virou um dos meus favoritos, mas vale a pena dar uma lida nos seguintes nas próximas férias.

Pontos fortes: narrativa em primeira pessoa e capítulos curtos.

Pontos fracos: falta de detalhamento das cenas.


Avaliação final:

Divergente:

1º livro - Divergente
2º livro - Insurgente
3º livro - Convergente

12 comentários:

  1. Nossa, a algum tempo atrás em todo lugar se falava desse livro, cheguei até a achar que tinha algo a ver com Jogos Vorazes, pois todo mundo que havia lido a série estava lendo ou querendo ler esse. Realmente a sinopse não me interessou muito, mas as capas tanto do primeiro como do segundo livro são muito boas, quem sabe um dia eu leia!

    labirintoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem um pouco a ver com Jogos Vorazes, Garibaldi, pois envolve facções, assim como os distritos.
      A capa é bem bonita e eu estou esperando o lançamento do segundo livro para ver se a série evolui de maneira positiva.

      Abraços!

      Excluir
  2. Nossa, você é a primeira pessoa que vejo falar que não gostou tanto assim do livro. Meu sobrinho leu e adorou. Bom vou ler para tirar as minhas conclusões, mas não agora, que to dando um tempo de distopias.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acabei não gostando muito, Sil, apesar de ver vários comentários positivos a respeito do livro. Fazer o quê, né...

      Beijos.

      Excluir
  3. Olá!
    Primeira pessoa que vez que não gostou muito de Divergente! Eu particularmente achei o livro bem parecido com Jogos Vorazes tipo essa coisa de Facção, lembra os distritos e tal!!
    Mas estou curiosa para ler o livro, a capa é bem bonita e chama um pouco a atenção!
    Parabéns pela resenha!!

    Beijos
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem parecido, Tahis, e é impossível evitar comparações entre os dois. A capa é muito bonita e vale a pena dar uma olhada nessas férias.

      Beijos.

      Excluir
  4. Olá! Gostei muito da resenha, foram ótimos os pontos destacou. Já vi opiniões positivas e negativas sobre o livro. Ainda não decide se vou ler este, talvez mais tarde.

    Abraço Fran Borges

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/p/blog-parceiros.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios, Fran!
      Eu tento sempre destacar os dois lados da moeda, para o pessoal não achar que eu só falo bem ou mal de algum livro. Deixando de lado as críticas, é um livro que pode ser lido a qualquer hora.

      Abraços!

      Excluir
  5. Oi, você é um dos poucos que vi que não caiu de amores pelo livro.Eu ainda não o li, mas quero ler e ver o que acontece,
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Rose, isso acontece! HAEUHAEHAUEHAE
      Mas vale a pena dar uma lida e ver o que você acha.

      Beijos.

      Excluir
  6. Eu sou suspeito para falar de Divergente, afinal li ele bem antes do lançamento e amei. O que acontece com livros e as pessoas não entendem é que, uns amam e outros odeiam. Nem por isso devemos chegar em uma resenha negativa (ou positiva no caso da maioria ser negativa) e apedrejar o autor, cada um tem seu gosto. Você passou bem o que achou do livro e acho que o que conta de verdade em uma resenha é a sinceridade com que o autor expõe os fatos, não adianta nada puxar o saco da editora né? Parabéns pela resenhas :D

    Robs - http://perdidoempalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Gabriel. Eu estava com uma expectativa muito alta para esse livro e acabei não sendo correspondido, mas muita gente gostou mesmo de Divergente. Ainda bem que você entendeu a sinceridade que eu tentei passar na minha resenha, pois não fica legal ficar puxando saco dos autores e das editoras, certo?

      Obrigado por comentar e que venha Insurgente!

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...