5 de jun de 2016

Resenha: A Cor da Magia - Terry Pratchett

Título: A Cor da Magia
Original: The Colour of Magic
Série: Discworld #1
Autor: Terry Pratchett
Páginas: 231
Editora: Conrad (2001)

Sinopse: A Cor da Magia é o 1º livro da cultuada série Discworld. A história relata as aventuras do mago Rincewind e do estranho turista Duasflor, tudo com muito bom humor. Nessa aventura, os personagens praticamente fazem um tour pelo disco, o que os leva a encontrar um grande herói, um terrível demônio e dragões, além de se aproximarem perigosamente da borda do mundo.

Depois de ter lido Guardas! Guardas! e Pequenos Deuses no ano passado, livros #8 e #13 de Discworld, finalmente resolvi ler A Cor da Magia, o famoso livro #1 da série. Pra quem ainda não sabe, Discworld é uma saga com mais de 40 livros, sendo que eles são divididos entre vários "ciclos" diferentes, portanto a ordem de leitura é totalmente misturada, dando ao leitor a opção de escolher o núcleo que mais o agrada e começar por ali a sua interminável aventura pelo Disco.

Tudo está normal na cidade de Ankh-Morpork até a chegada de um estranho turista do Império. É a partir desse momento que todos os fatos começam a se desenrolar e temos uma quantidade infinita de coisas acontecendo ao mesmo tempo. Pessoas querendo se aproveitar do estrangeiro, teorias conspiratórias tomando forma e assassinos sendo contratados. E nesse baile todo nos deparamos com a figura do mago (?) Rincewind, que fora expulso da Universidade Invisível sem nunca ter conseguido realizar um mísero feitiço, mas que ainda assim teve um deles "aprisionado" na sua mente após tentar roubar um livro sagrado. Que feitiço seria esse? Ninguém tem a menor ideia.


Acompanhado da destemida Bagagem, uma mala com vida própria, o turista DuasFlor parece ser um personagem bem ingênuo, como todo viajante de 1ª vez também parece, mas aos poucos vamos percebendo que ele não é tão bobo assim e acaba se tornando uma grata surpresa nesse livro inicial de Discworld, livrando-se de confusões, vendo o mundo como uma grande aventura e trazendo discussões bem pertinentes a respeito das relações entre povos e culturas bem diferentes.

O trio formado pelo "guia" Rincewind, DuasFlor e a Bagagem (sim, ela é definitivamente uma grande personagem dessa história) é o dono das atenções nesse primeiro volume. Fique de olho neles enquanto viajam pela cidade de Ankh-Morpork, por Wyrmberg e pelo perigoso Reino do Krull.

"— NÃO VAI DOER — garantiu Morte. Se palavras tivessem peso, uma única frase de Morte seria capaz de ancorar um navio."

Morte é um personagem à parte e falarei mais sobre Ele numa resenha futura do 4º livro da série.

Também percebemos que os deuses têm um papel importante em Discworld, fazendo um jogo de marionetes com os personagens que acompanhamos e muitas vezes brincando com o Destino (duplo sentido pra quem já leu) ao mexerem as peças do tabuleiro conforme as suas vontades.

Narrado em 3ª pessoa, A Cor da Magia é a obra de Disworld que mais nos insere no mundo em si, trazendo detalhes valiosos no que se refere ao worldbuilding, principalmente se comparar a Pequenos Deuses e Guardas! Guardas!, que são bem focados em regiões específicas do Disco. Confesso até que em algumas horas eu me sentia rapidamente perdido com tanta informação "nova" sendo jogada, mas a escrita leve do Terry Pratchett logo resolve tudo e é hora de seguir o baile.

"Era muito bom sair falando em coerência, na harmonia dos números e na lógica que governava o universo, mas a questão pura e simples era que o Discworld atravessava o espaço na casca de uma tartaruga gigante e que os deuses tinham o hábito de aparecer na casa dos ateus quebrando as janelas."

Se você está à procura de um livro com worldbuilding muito bem estruturado, brigas de taverna, cidades sendo incendiadas, criaturas extremamente poderosas e que habitam covis sombrios, dragões em seu habitat natural (e fora dele também), além de uma viagem até a famosa Borda do Mundo, onde é possível ter vislumbres da Grande A'Tuin, a tartaruga que move o Disco pelo espaço enquanto carrega quatro elefantes gigantes no seu caso, então A Cor da Magia é um bom começo.

Discworld é muito mais que diversão garantida, é uma mistura de tudo que a fantasia tem a oferecer e tudo que a zuera pode alcançar. Terry Pratchett era mestre demais em fazer isso! haha

Avaliação:

Discworld:

Livro 1 - A Cor da Magia
Livro 2 - A Luz Fantástica
Livro 3 - Direitos Iguais, Rituais Iguais
Livro 4 - O Aprendiz de Morte
Livro 5 - O Oitavo Mago
Livro 6 - Estranhas Irmãs
Livro 7 - Pirâmides
Livro 9 - Fausto Eric
Livro 10 - A Magia de Holy Wood
Livro 11 - O Senhor da Foice
Livro 12 - Quando as Bruxas Viajam
Livro 13 - Pequenos Deuses
Livro 14 - Lords and Ladies
Livro 15 - Men at Arms
...

10 comentários:

  1. Ótima resenha! Adorei a definição: "Discworld é muito mais que diversão garantida, é uma mistura de tudo que a fantasia tem a oferecer e tudo que a zuera pode alcançar".
    Aliás, o que achou do Cohen? hahahahaha Agora achou justo que ele tenha ganhado do Uhtred naquela batalha de guerreiros? hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a minha humilde definição pra Discworld. Acho que ficou perfeita. hauhauhauhuah

      O Cohen ainda não apareceu, como te falei, mas: Uhtred > all.

      ahuahuhauha

      Excluir
    2. Ia dizer que perdi alguma coisa, não lembrava do Cohen ter aparecido!

      Excluir
    3. Então eu não deixei passar, ufa.

      Excluir
  2. Oie, Vagner.
    Eu amei Pequenos Deuses, estou com os mais recentes lançados para ler e já quero A Cor da Magia. Sua resenha me mostrou que o livro é exatamente aquilo que eu já esperava vindo de Pratchett.

    Beijos,
    Celly.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho interessante ler A Cor da Magia antes pra ter uma ideia mais geral do que acontece em Discworld, já que esse livro explica bastante coisa sobre o universo criado pelo Pratchett. No mais, o importante é ler as obras dele, que são muito engraçadas!!

      Beijos, até mais.

      Excluir
  3. Cara, esse último trecho do livro que foi citado por você é hilário, daí já vejo como o Pratchett deve ser bem da zuera mesmo. Apesar de ter indicado ela lá na campanha, ainda não li os livros. Estava querendo iniciar com Pequenos Deuses, mas agora penso em ler A Cor da Magia, pois como tu escreveu, ele é mais completo em relação ao worldbuilding e o autor dá mais detalhes sobre e etc. As personagens são bem originais mesmo e a trama foge do clichê, acredito. Irei ler sem grandes expectativas, pois quero ser surpreendido.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu começaria por Pequenos Deuses mesmo, é um excelente livro pra dar MUITAS risadas e ter uma noção leve de como o Disco funciona e tudo mais, já que não tem tanta informação jogada pro leitor ao mesmo tempo. Aí depois já pode encarar A Cor da Magia e seguir em frente. ;)

      Abraços, acho que tu vai gostar. o/

      Excluir
  4. Adoro essa série. rsrs Realmente a sua definição é perfeita! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discworld é bom demais, pretendo ler toda a série nessa vida, mas vou aos poucos, 1 ou 2 por ano é o que pretendo ler, assim sempre fico revisitando esse mundo fantástico!

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...