23 de mar de 2015

Resenha: O Duelo dos Reis - Joe Abercrombie


Título: O Duelo dos Reis
Original: Last Argument of Kings
Série: A Primeira Lei/The First Law #03
Autor: Joe Abercrombie
Páginas: 576
Editora: Arqueiro (fevereiro de 2015)

Sinopse: A União está em guerra. Ao norte, o coronel West e suas tropas recuperaram a fortaleza de Dunbrec, mas a batalha pode se arrastar por anos, porque o rei dos nórdicos não irá se render. É hora de Nove Dedos voltar e enfrentar seu pior inimigo. O problema é que, no calor da batalha, nunca se sabe quando o Nove Sangrento surgirá de dentro dele – e o Nove Sangrento não escolhe lado, só quer matar. Na Terra do Meio, uma revolução camponesa por direitos igualitários e participação política desestabiliza os governos locais. Caberá a Jezal dan Luthar negociar a paz e, se preciso, combater o próprio povo. Na capital, com o rei doente e sem herdeiros, os membros do Conselho Fechado começam a comprar apoio dos nobres, numa corrida oculta ao trono. Depois de ter escapado por pouco de Dagoska, Sand dan Glokta precisa sobreviver ao jogo político. Para isso, vai usar os recursos em que é mestre: chantagem, ameaça e tortura. Além disso, tropas gurkenses se movem no sul em direção a Adua, dispostas a travar uma guerra santa e levar Bayaz a julgamento. Para salvar o mundo, o Primeiro dos Magos precisa salvar a si mesmo, porém há riscos enormes quando se mexe com magia. E nada pode ser mais arriscado do que quebrar a Primeira Lei. O duelo dos reis é um épico sombrio e brilhante, um final de tirar o fôlego para a trilogia que redefiniu a literatura fantástica.

Essa resenha contém spoilers dos livros anteriores.

E finalmente chego ao fim da trilogia A Primeira Lei. Confesso para vocês: não terminava uma série há MUITO tempo. A gente vai lendo e lendo vários volumes de várias séries diferentes e esquece de terminar uma por vez. Acontece com a maioria dos leitores, acredito eu...

- Aprendi todo tipo de coisas com meus muitos erros - comentou Cosca, que esticou o pescoço e o coçou. - A única coisa que nunca aprendi foi a parar de cometê-los.

Só para relembrar alguns fatos do final do 2º livro: ao Norte, a fortaleza de Dunbrec foi recuperada pelos guerreiros da União e agora Bethod foge mais ainda para o norte, procurando um local propício às suas armadilhas. Cabe a West e os nórdicos que se juntaram a eles (como o grupo de Cachorrão) irem atrás dele e terminar de uma vez por todas com a ameaça de Bethod. Um reencontro muito esperado acontece nesse livro, já aviso, além de velhas ameaças ressurgirem, como é o caso do gigante Fenris, o Temível.


Na Borda do Mundo, Bayaz e seu grupo chegaram aonde queriam, mas não encontraram a tal Semente (Abercrombie desgraçado, só trollou os leitores).  Resta voltar a Adua e tentar encontrar uma solução para o avanço dos gurkenses. Gurkenses esses que, por sinal, retomaram o controle de Dagoska logo depois do nosso torturador Glokta ter escapado de lá a mando do arquileitor Sult.

Grandes jornadas começam com pequenos passos, como o pai de Logen sempre dizia.

Nesse desfecho, finalmente entendemos mais sobre o que é a Primeira Lei e quais são as suas consequências, sendo elas boas ou más. Tudo depende do ponto de vista, é claro. Novas perspectivas da magia são apresentadas, fantasmas do passado aparecem para atormentar a vida de alguns e os demônios do Outro Lado parecem estar voltando. Bayaz seria a pessoa mais indicada a mexer com esses poderes sobrenaturais. Ou não? Leia e descubra! ;)


Uma boa parte desse livro concentra-se na Ilha do Mundo, onde a capital Adua sofre com a morte do rei atual e prepara-se para uma briga ferrenha nos Conselhos Aberto e Fechado para que se possa escolher o próximo governante. Tudo é jogo político, amigo. Adicionado a isso o iminente avanço das tropas gurkenses contra a União, que parecem não ter gostado de ficar somente do lado de lá do oceano e agora viram suas lanças para a capital Adua.

Mas quem acaba roubando a cena, como sempre acontece, são os personagens Sand dan Glokta e Logen Nove Dedos/Nove Sangrento. Os dois são exímios personagens, extremamente bem construídos e com qualidades e defeitos de um ser humano comum (mais defeitos, por sinal).


Glokta é a personificação pura do humor negro, é impossível não dar risada com os pensamentos dele (grande sacada do Abercrombie ao colocá-los em itálico durante a narrativa) e não sentir dor no próprio corpo quando o torturador sobe alguma escada ou tenta mexer as costas. Isso é algo intrigante e diferenciado nas obras atuais, acostumadas a nos trazer personagens clichês demais.

Logen é um brutamontes nascido para matar, odeia estar no comando (porque sabe que só coisas ruins acontecem nessa hora), mas não foge de uma boa disputa. Sua outra personalidade, o Nove Sangrento, aflora nos momentos mais tensos, e o problema é justamente esse. Quando todos precisam do Nove Sangrento ele está lá, pronto para matar... o que estiver pela frente. As consequências dos atos do Nove Sangrento são monstruosas.

- Brinque de ser o homem bom se quiser, o homem que não tem escolha, mas nós dois sabemos o que você é de verdade. Paz? Você nunca terá paz, Nove Sangrento. Você é feito de morte!

Mas e o Jezal dan Luthar? Ah, aquele guri mala e mimado lá do primeiro livro (O Poder da Espada)... Nada que uma porrada de maça na sequência não resolva alguns dos seus problemas de civilidade!! Preparem-se para se surpreender muito com esse personagem e com os rumos que ele acaba tomando. Foi algo que eu nem imaginava, diga-se de passagem.


Não posso esquecer de comentar sobre a Ferro também, uma personagem forte e decidida, buscando apenas um objetivo: vingança. Mesmo que isso a faça abandonar as (poucas) coisas boas que aparecem na sua vida. Ardee West, irmã de Collem West, acaba tendo um destino inusitado (alguns irão gostar e outros não, mas enfim), ao contrário do seu irmão, que provou ser um dos personagens mais ambíguos e inconsequentes de toda a trilogia.


Percebe-se claramente a evolução de Joe Abercrombie em toda a trilogia, refinando a sua escrita e tornando a leitura muito agradável. Com colocações pontuais a respeito da mitologia por trás de todos os magos e cidades envolvidos na trama, Abercrombie consegue nos brindar com um livro melhor que o outro, mostrando que tudo pode ser melhorado. O único porém foi o autor ter usado um pouco demais o tell nos seus livros. No caso, apenas contar o que aconteceu e não mostrar-nos 'ao vivo'. É aquela máxima do show, don't (just) tell, o que acaba deixando uma sensação de vazio em algumas partes. Certamente umas 50 páginas a mais por livro fariam muita diferença.

Gostei do destino de vários personagens e não curti tanto o de outros, ficando com aquela sensação de que a narrativa poderia ter continuado só um pouquinho mais, já que ainda parece haver coisas para se contar e se revelar (benditas pontas soltas). Muitas coisas intrigantes acontecem nesse 3º livro, algumas delas acompanhadas de revelações surpreendentes, capazes de deixar o leitor mais desavisado de queixo caído. E, não esquecendo de comentar, teremos várias traições por todos os lados possíveis. Um temperinho a mais para acirrar os ânimos no Círculo do Mundo.

A trilogia certamente agradará àqueles fãs de fantasia que gostam de um mundo mais real, mais verossímil, com personagens cinzas e passíveis de punição. Fica a recomendação!

"O poder torna todas as coisas certas. Essa é a minha primeira lei e a última. É a única lei que eu reconheço." - Bayaz, o Primeiro dos Magos

Avaliação final:

A Primeira Lei:

1º livro - O Poder da Espada
2º livro - Antes da Forca
3º livro - O Duelo dos Reis

10 comentários:

  1. Eu estou lendo o livro e os capítulos do Jezal me fazem rir muito, mas tb são ótimos para a gente ter uma ideia melhor de todo o esquema da política da União.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São bons capítulos mesmo, Cassiana, ainda mais se compararmos com os livros anteriores. Acho que o desfecho da trilogia foi satisfatório!

      Excluir
    2. Oi, Vagner, voltando para deixar o meu comentário após ler o livro. Concordo com a sensação de vazio de algumas partes. O Joe é um ótimo escritor e poderia ter feito melhor, mas tb gostei do resultado, foi o desfecho merecido para a série e a trilogia é ótima, sem dúvidas. Abs!

      Excluir
    3. Faltou aquela cerejinha do bolo, Cassy, mas eu gostei do resultado no geral, acho que foi uma leitura bem válida! Em breve pretendo ler Best Served Cold, The Heroes e assim por diante, todos livros que também se passam no universo da trilogia.

      Excluir
  2. Que grande surpresa que tive agora. Acabei de saber que foi lançado este desfecho da trilogia. Tenho os dois primeiros e ainda não li, mas pelo que vejo em resenhas acho que vou gostar muito. Já vou comprar o meu.

    www.bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi lançado há pouco tempo, Maurilei, então eu aproveitei o embalo e já li tudo. HSAUHSAUHSUHUSH

      Leia sim, acredito que irá gostar. Abraços!

      Excluir
  3. Oi, Vagner!
    Antes de tudo, quero parabenizá-lo por esse banner incrível. Adorei! Mesmo não conhecendo os personagens, com exceção do Locke Lamora, encarei como indicações de leituras que eu tenho de fazer.
    Agora sobre o livro: eu quero demais ler. Agora que as provas acabaram, no entanto, eu estou com uma dúvida terrível. Tenho tantos livros me esperando, fora os de parceria com autores com quem fechei. Todos dentro do gênero fantástico, claro! Imagina então minha situação. Escolher um? Quase impossível ):
    Hoje teve o evento da Arqueiro aqui na minha cidade. Cheguei um pouco atrasada, bem na hora dos sorteios. Então ali estava eu quando chamaram o número 22 como tendo ganhado O Poder da Espada. E morri de felicidade porque sempre escolho o 22 por considerar que me dê sorte, quase chorei. Daí lembrei que cheguei tarde e acabei ficando com o 59. Quase chorei de novo :'(
    Com carinho,
    Celly ❤

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do banner, Celly! \o/
      Tentei colocar os personagens que mais gosto, se tivesse espaço iria pedir mais uns 3-4. hasuhsauhashs

      Bah, que azar, acabou a sorte nos sorteios, vai passar tudo pra mim! :v

      Quando puder, dê uma lida nessa série, mas eu te aconselho a tentar algo do Bernard Cornwell logo. Você já tá começando a enrolar demais... hasuhsahuhsa

      Beijos e até mais!

      Excluir
  4. Eu gostei muito da trilogia, mas esse livro tinha material para mais 300 follhas. O final realmente deixa um vazio desgraçado e uma curiosisade fatal perante a ultima cena .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dava pra colocar mais algumas páginas mesmo, ajudaria a acabar com algumas pontas soltas e até explicar mais sobre o mundo, etc.

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...