9 de mar de 2015

Resenha: Antes da Forca - Joe Abercrombie


Título: Antes da Forca
Original: Before They Are Hanged
Série: A Primeira Lei/The First Law #2
Autor: Joe Abercrombie
Páginas: 496
Editora: Arqueiro (junho de 2014)

Sinopse: Nesta ardilosa sequência de O poder da espada, o futuro da União está em três frentes de batalha - e nenhuma delas parece nem perto da vitória. Sand dan Glokta se tornou o todo-poderoso de Dagoska e tem de impedir que ela seja tomada pelos inimigos - tarefa difícil em uma cidade com muralhas decadentes e escassez de soldados. Além disso, o ex-torturador também precisa desvendar uma conspiração no conselho governante e salvar a própria pele. Enquanto isso, nas terras congeladas de Angland, o coronel West tem pela frente uma complicada missão - proteger o príncipe herdeiro no campo de batalha e evitar que a inexperiência e a arrogância dele levem todos para a morte. Ao mesmo tempo, Bayaz lidera uma expedição que cruzará o continente até a borda do Mundo. Passando por terras amaldiçoadas e esquecidas no passado, ele precisa encontrar a Semente - uma relíquia do Tempo Antigo que poderia pôr um fim à guerra, ao exército de comedores que se multiplica no Sul e aos bandos de shankas que atacam no Norte. Nesta trama inteligente e de personagens complexos, antigos segredos são revelados, batalhas sangrentas são travadas, inimigos mortais são perdoados - mas não antes de estarem na forca.

Dando continuação à trilogia escrita por Joe Abercrombie, dessa vez fui presenteado com um livro bem mais dinâmico, repleto (!) de referências ao passado e com um excelente desenvolvimento de grande parte dos personagens principais. Antes da Forca é muito melhor que O Poder da Espada, só para antecipar a vocês.

West encontra-se no Norte, protegendo o príncipe Ladisla de uma iminente batalha com os nórdicos de Bethod. Glokta foi para Dagoska investigar o desaparecimento do antigo superior e tentará segurar o avanço inevitável dos gurkhenses, loucos para retomar a sua cidade. Já Bayaz está viajando para a Borda do Mundo com o seu grupo (Logen, Ferro, Pé Comprido, Quai e Jezal). Isso é o que dá para resumir do final do livro anterior, como apresentado na sinopse acima.


Como de praxe, o humor de Glokta está presente novamente. Os capítulos dele são terrivelmente hilários, sempre com aquela reclamação constante da dor nas pernas enquanto tortura implacavelmente os inimigos da Inquisição. Só que dessa vez Glokta está em perigo constante, já que Dagoska não é uma cidade conhecida por manter seus superiores com cabeça.


"Já deveria saber. Só os amigos ficam para trás. Os inimigos estão sempre nos calcanhares da gente."

O mais interessante desse livro é que as menções ao passado são bem constantes, não só por parte de Bayaz, mas também por vários dos outros personagens da trama. Conhecemos mais sobre as Primeira e Segunda Leis (Jamais tocar o outro lado e jamais comer a carne de um humano, respectivamente), as guerras de antigamente são explicadas, principalmente aquelas entre os magos Juvens, Kanedias, Gustrod, Khalul e cia. É legal saber dessas coisas, faz diferença num livro, já que todo o aspecto histórico sempre é importante para dar  uma boa sustentação à narrativa, até mesmo a certas atitudes de alguns personagens.

Mas nada supera Logen Nove Dedos. Ou poderíamos simplesmente fazer referência ao Nove Sangrento? Para mim é o melhor personagem dessa trilogia até agora, um homem simples e nascido para lutar, ainda mais por contar com as suas "habilidades especiais", digamos assim. Saber como tudo começou para O Nove Sangrento é intrigante, as bobagens que ele fez e também o seu modo de tentar reparar as coisas. Somente uma coisa ficou em aberto e eu quero muito descobrir no próximo livro: o porquê de sua rixa com Bethod.
– Para mim, não ter medo é ostentação de idiotas. Os únicos homens sem medo são os mortos, ou talvez os que vão morrer logo. O medo ensina a ter cautela e respeitar o inimigo e a evitar se exceder por raiva. Todas essas coisas têm seu uso, acredite. O medo pode mantê-lo vivo, e isso é o melhor que qualquer um pode esperar numa luta. Todo homem que vale alguma coisa tem medo. O que importa é o uso que você faz dele.

Vale ressaltar também que o grupo de Bayaz começa a criar uma conexão mais forte, já que viajar para o outro lado do mundo e simplesmente não dar bola para os outros seria algo meio difícil. Até Ferro, com todo o seu palavrado e aversão aos outros, parece estar mudando (um pouco) o seu temperamento e passa a interagir com os demais. Às vezes de um modo diferente. rsrs

E ainda por cima até o Jezal passa a ser menos mala (por incrível que pareça), mas isso só depois de um acontecimento bem impactante para a sua vida... Leia e descubra. ;)

Mas a melhor coisa nas obras de Joe Abercrombie é a semelhança que podemos traçar com a realidade. Parece que está tudo ali, acontecendo na sua frente. Se alguém tiver que ter um membro amputado, assim o terá. Se você precisar de uma descrição de alguém agonizando, pedindo para morrer o quanto antes, assim você terá. É tudo próximo da realidade, e não sei vocês, mas para mim é isso que eu procuro em uma obra. Quero me sentir no meio da narrativa, sofrendo com os personagens, vibrando com suas vitórias, lutando ao lado dos guerreiros!!


"Nossa perdição se aproxima e todo mundo percebe isso. Coisa estranha, a morte. De longe você pode rir dela, mas, à medida que chega perto, ela parece cada vez pior. Quando está suficientemente perto para ser tocada, ninguém ri."

Por fim, tudo parece estar convergindo para um final bem épico, digno daquelas grandes trilogias. Antes da Forca, assim como seu antecessor, O Poder da Espada, é uma "preparação" para o volume seguinte, deixando o terreno pronto para que algo maior aconteça. Estou com ótimas expectativas para O Duelo dos Reis e espero que elas se confirmem muito em breve.

Ah, só mais uma coisinha: a partir do dia 15 de março (domingo que vem) o grupo Livros de Fantasia e Aventura estará fazendo uma leitura conjunta desse livro e eu mesmo serei o moderador. Sintam-se todos convidados a passar por lá e discutir os capítulos com a gente!  

Avaliação final:

A Primeira Lei:

1º livro - O Poder da Espada
2º livro - Antes da Forca
3º livro - O Duelo dos Reis

4 comentários:

  1. Eu gostei do livro, mas vou ser sincera, não achei melhor do que o primeiro. Aliás, acho os dois no mesmo nível. Algumas cenas tiveram desfechos absurdamente ridículos para a boa narrativa da obra. Claro, não posso desmerecer outros excelentes momentos que vc colocou na resenha. No geral, a série é ótima e qualquer fã de fantasia deveria ler.

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei esse um pouco melhor. O começo e o início do livro salvaram aquele final fraco com relação à Semente. Gostei bastante das cenas de ação e também da mitologia por trás dos magos e do Antigo Império, que eu achei satisfatória. No geral é um bom livro, certamente recomendável para os fãs de fantasia.

      Excluir
  2. Esqueceu uma Citação importante . " Tudo que um cu sabe fazer , é merda " - Barca Negra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe me dizer a página dessa citação? Gosto de marcar aqui nos meus livros.

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...