31 de ago de 2013

Resenha: Stonehenge - Bernard Cornwell

Sinopse: Uma combinação perfeita: um dos escritores ingleses mais bem-sucedidos no Brasil escreve sobre um dos mais conhecidos e enigmáticos mistérios do planeta. Como explicar Stonehenge, um enigma tão complexo quanto as pirâmides do Egito? Qual era a finalidade desse círculo de pedras? Todos os anos, milhares de turistas seguem até a planície de Salisbury para tentar entender o grande mistério. Teria o monumento sido erguido pelos gregos? Ou se trata de um templo construído pelos druidas celtas? Bernard Cornwell recria a época da construção do monumento em uma emocionante disputa entre três irmãos pelo poder de sua tribo.

Site do autor


Stonehenge é um dos poucos livros "únicos" do autor Bernard Cornwell e não é tão conhecido como as sagas Crônicas Saxônicas e Crônicas de Artur, mas vale a pena dar uma olhada mais a fundo nesse livro.

Somos apresentados a Saban, personagem principal do livro, filho mais novo do chefe Hengall, o qual possui outros dois filhos, Lengar e Camaban. Saban sempre foi um rapaz pacífico, ao contrário de Lengar, sempre impetuoso e procurando briga com alguém. Mas o "exemplar" mais excêntrico dessa família é Camaban, que nasceu aleijado e agora é considerado um pária pelo seu pai, que o tirou de casa para não sujar o nome da família.

Certo dia, um homem estranho chega à Ratharryn, tribo comandada por Hengall, com um estranho objeto, nunca antes visto por essas terras. Esse objeto irá mudar a vida dos três irmãos, seja para o bem ou para o mal. E é exatamente isso que torna o livro bom e viciante em algumas partes.


"Revele a alguém seus pensamentos, dissera uma vez, e estará lhe entregando sua alma."

Quero evitar falar muito a vocês para não soltar spoilers indevidos, mas as guerras entre tribos que acontecem no livro são muito intrigantes e dignas do autor, que misturou vários elementos religiosos nessa trama a fim de deixá-la mais complexa, acredito eu. E foi nessa parte que o autor se inspirou para criar o mito que é Stonehenge e por que ele foi construído.




Mas vamos direto ao ponto: Stonehenge é o livro mais chato de Bernard Cornwell, se é que é possível dizer isso de alguma obra dele. A leitura acaba arrastando-se bastante em vários momentos, principalmente na parte que remete a construções de templos e suas divindades. Mesmo assim, oscilando entre bons e maus momentos, a história é bem montada e o final é diferente dos que costumamos ler por aí.

Eu, particularmente, não recomendo esse livro dele de primeira. Leia outra obra do Cornwell, para não ficar com má impressão do autor e desistir do mesmo logo de cara. No mais, a leitura vale a pena do ponto de vista histórico e cultural desse magnífico monumento situado na Inglaterra, que eu pretendo visitar muito em breve.

Pontos fortes: conflitos entre as tribos rivais.

Pontos fracos: leitura um pouco monótona e arrastada.

Avaliação final:

8 comentários:

  1. Oi Vagner!!!

    Este foi o 1º livro dele que li e amei. Tenho outros, mas não tive ainda a oportunidade de ler. Será que vou gostar? ;)

    Bjs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bel. Tudo bem?

      Tenho certeza que, ao gostar desse livro, você irá se apaixonar pelos outros. A leitura é bem mais agradável e o Cornwell se supera a cada novo livro que ele escreve.

      Beijos.

      Excluir
  2. Ainda não li este livro, mas já estava de olho a um bom tempo. O conflito de tribos e o contexto histórico cultural me conquistaram. Conheci o autor com As Crônicas de Artur e adorei.

    Blog DuLapa - www.dulapa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse contexto conquista qualquer um, cara! HAEUHAEUHUAEHUAE
      E fico feliz que tenha gostado das Crônicas de Artur também. Já resenhei aqui no blog, se quiser passa por lá e comenta também.

      Abração!

      Excluir
  3. Definitivamente, eu não vou começar lendo essa obra do Bernard. Não quero me decepcionar com ele. Vou seguir a sua dica e ler as outras séries dele (preferência para as Crônicas Saxônicas).
    O enredo do livro é muito interessante, não há como negar, mas, às vezes, os autores abusam da descrição e ao invés de deixar uma historia bastante gostosa de se ler, acaba nos arrastando lentamente pelo enredo.
    Enfim, parabéns pela resenha :)

    http://peregrinodanoite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te aconselho a fazer isso mesmo, Bruno. Os outros livros do Cornwell são bem melhores que esse e te farão gostar muito mais do autor.
      Valeu por passar aqui e até uma próxima!

      Excluir
  4. Foi o primeiro que li... E depois não parei mais de ler as obras de Cornwell. Discordo um pouco de você sobre o arraste do texto. Vejo como necessário todas as explicações tanto religiosas, como de engenharia para que o leitor possa viajar no tempo e compreender o que se passa. Camaban é sensacional...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei das explicações sobre engenharia e afins, mas confesso que boa parte foi um pouco arrastada. Talvez eu esteja comparando demais esse livro com as outras obras do autor, mas foi a impressão que me deixou. No mais, é sempre uma leitura valiosa, fãs do Cornwell precisam lê-la.

      Abraços!

      Excluir

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...