1 de set de 2016

Resenha: Rebelde - Bernard Cornwell


Título: Rebelde
Original: Rebel
Série: As Crônicas de Starbuck/Starbuck Chronicles #1
Autor: Bernard Cornwell
Páginas: 392
Editora: Record (novembro de 2014)

Sinopse: Durante o verão de 1861, os exércitos do norte e do sul dos Estados Unidos se preparam para travar o que entraria para a história como a Guerra de Secessão. Rebelde é a fantástica história de como o jovem nortista Nathaniel Starbuck se rebela e luta a favor dos sulistas. Abandonado pela mulher que julgava amá-lo e afastado da família, Nathaniel chega a Richmond, na Virgínia, capital da Confederação sulista. Lá, depara-se com uma turba acossando nortistas e tenta não se envolver. Porém, quando percebe que seu sobrenome é capaz de gerar uma fúria ainda maior pois é filho do reverendo Elial Starbuck, grande defensor de ideias antiescravagistas , é resgatado por Washington Faulconer, um milionário excêntrico que deseja reunir uma companhia de elite para lutar contra os ianques. Como forma de gratidão, Nathaniel se alista na Legião Faulconer, mesmo sabendo que isso significa ter de lutar contra o próprio povo. Outros cidadãos enfrentam dilemas semelhantes, no entanto, em pouco tempo, todos se renderão ao caos e à violência que dividiu a América em duas.

Só pra variar um pouquinho, mais uma resenha do autor Bernard Cornwell aqui no blog. Esse é o 21º (!) livro do autor que eu desbravo e simplesmente não consigo parar. Minha meta é ler todos os livros do mestre até morrer, então tenho um bom tempo e muitas histórias ótimas pela frente.

A bola da vez foi Rebelde, primeiro livro d'As Crônicas de Starbuck, lançado no finalzinho de 2014 aqui no Brasil pelo Grupo Editorial Record. Logo no primeiro capítulos somos apresentados a Nathaniel Starbuck, o protagonista dessa história sangrenta que dividiu os Estados Unidos em dois.


Em 1861, quando vários estados escravagistas do Sul declararam secessão e formaram os "Estados Confederados da América", ou "Confederação, fazendo oposição aos demais estados, que ficaram conhecidos como "União" ou "Norte", ninguém imaginaria que o conflito ficaria conhecido como um dos mais sangrentos da História. A Guerra de Secessão, como foi chamada, durou quatro anos, até 1865, e deixou mais de 600 mil mortos em seu rastro. É no meio desse fuzuê todo que Nathaniel Starbuck se encontra e teremos a história narrada pelo seu ponto de vista, em terceira pessoa.

O estopim de tudo foi a tomada do Forte Sumter em abril de 1861, na Carolina do Sul, pelas forças armadas da Confederação. O que parecia apenas uma crise no início do governo do então presidente republicano Abraham Lincoln acabava de se transformar em uma temida guerra civil.

Após ter largado os estudos para seguir uma jovem e ver essa mesma o abandonar, Nathaniel, um nortista nascido em Boston, filho do famoso reverendo Elial Starbuck, chega até a cidade de Richmond, na Virgínia (estado sulista), à procura de Adam, seu amigo de infância e filho do coronel Washington Faulconer. Ao chegar em Richmond, é rapidamente identificado como um nortista e encurralado pelos civis, só sendo poupado quando o próprio Washington aparece.

Nesse primeiro capítulo já podemos ter uma amostra do clima de tensão existente entre os estados americanos. Uma mistura perigosa de xenofobia e ódio crescentes, muito próxima de explodir.

"Como poderia haver uma guerra nessa terra boa? Esses eram os Estados Unidos da América, o apogeu da luta do homem por um governo perfeito e uma sociedade temente a Deus, e os únicos inimigos jamais vistos nessa terra feliz foram os ingleses e os índios, e esses dois inimigos, graças à providência divina e à força americana, haviam sido derrotados."

Voltando ao que interessa, descobrimos que o coronel Washington Faulconer está montando uma legião para lutar na guerra, e Starbuck acaba sendo inevitalmente recrutado para a mesma, onde começa a trabalhar para o dono da Faulconer Court House, condado da Virgínia.

É só a partir daí que a história começa a andar num ritmo mais rápido, com personagens novos sendo apresentados, como Anna Faulconer, filha do coronel, e Ethan Ridley, seu prometido. Sally e Thomas Trusllow, outros dois personagens, também terão papéis importantes na vida de Nathaniel. Preste atenção neles. Outros também poderia ser mencionados, mas farei isso mais adiante.

Ao contrário dos outros personagens principais de Bernard Cornwell, como Uhtred, Derfel e Richard Sharpe, Nathaniel Starbuck não é um daqueles protagonistas que começamos a gostar desde as primeiras páginas. Remoído pelo seu passado e atormentado por pesadelos, Starbuck tem receio em cometer pecados que possam afrontar o seu Deus, e isso é algo bem recorrente em todos os capítulos desse primeiro livro da série, onde ele deixa de tomar certas atitudes que lhe parecem corretas num primeiro momento por causa do seu temor religioso e uma possível punição divina.

Sem contar que ele, como nortista lutando pelo Sul, estará enfrentando pessoas do seu "país".

A trama toda vai se construindo de uma maneira regular e sem pressa, chegando ao seu ápice na Batalha de Manassas, próxima ao riacho Bull Run, onde os exércitos Confederados e da União se encontrarão para um primeiro embate sangrento. Torcemos por alguns personagens e aguardamos ansiosamente pela morte de outros, um misto de empatia e até mesmo admiração por aqueles que fizeram parte de um momento histórico, não só para a formação de um país, mas para o mundo.


É possível sentir o cheiro da pólvora que fica no ar após os tiros de canhão e disparos das pistolas, a agonia de soldados feridos tentando se agarrar ao último resquício de vida. Bernard Cornwell é um mestre em fazer isso e aqui também podemos perceber a sua habilidade em narrar batalhas, mesmo que eu, pessoalmente, prefira a boa e velha luta de guerreiros com espadas e escudos.

"Se você cresce no campo, vive ouvindo falar do circo. Todas as maravilhas do circo. Os shows de aberrações e os números com animais, incluindo o elefante, e todas as crianças ficam perguntando o que é o elefante, mas você não consegue explicar, até que um dia leva seus filhos e eles veem. A primeira batalha de um homem é assim. Igual a ver o elefante. Alguns homens mijam na calça, alguns correm feito o diabo, alguns fazem o inimigo fugir."

Confesso até que, num primeiro momento, nem me interessava muito pela Guerra de Secessão, visto que na escola é um assunto debatido muito rapidamente e sem o aprofundamento necessário, mas agora, com outra visão, quero entender mais sobre como essa guerra afetou toda a nação norte-americana. Afinal, temos a oportunidade de ler um período desses na escrita de B. Cornwell.

Rebelde foi uma leitura bem aguardável, mas guardarei a 5ª estrelinha para os próximos livros, que pretendo desbravar no próximo ano. Traidor ainda precisa ser comprado e os seguintes lançados aqui no Brasil, mas quem sabe eu não parto para a leitura deles em inglês mesmo? Só o tempo dirá!

Avaliação final:

As Crônicas de Starbuck:

Livro 1 - Rebelde
Livro 2 - Traidor
Livro 3 - Battle Flag (previsão de lançamento no Brasil para 2017)
Livro 4 - The Bloody Ground

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em breve, sua opinião será lida e respondida. Obrigado por comentar no Desbravando Livros!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...